Pedrazul Editora

pedrazul editora

“Não é esplêndido pensar em todas as coisas que existem para serem descobertas? Ninguém jamais é muito velho para sonhar. E os sonhos nunca envelhecem”. Anne Shirley ♥

Editora de romances históricos, época, contemporâneos, clássicos ingleses, franceses e nacionais.  Conheça os livros da Pedrazul Editora! Agora com uma novidade: Clube de assinatura de clássicos (preferencialmente os ingleses).

Envie um e-mail com o título “Clube de Assinantes” para contato@pedrazuleditora.com.br para receber mais informações.

Acesse: https://www.pedrazuleditora.com.br/ e conheça todos os livros que estão em promoção (frete grátis para todo o país).

Acompanhe o instagram da editora https://www.instagram.com/pedrazuleditora/?hl=pt-br e se apaixone pelos depoimentos dos leitores Pedrazul ♥

Terra dos Homens

terra dos homens

“Não sei o que se passa em mim. Esta força de gravidade me liga ao chão quando tantas estrelas são imantadas. Outra força de gravidade me prende a mim mesmo. Sinto o meu peso que me une a tantas coisas! Meus sonhos são mais reais que estas dunas, esta lua, estas presenças. Oh, o que há de maravilhoso numa casa não é que ela nos abrigue e nos conforte, nem que tenha paredes. É que deponha em nós, lentamente, tantas provisões de doçura. Que forme, no fundo de nosso coração, essa nascente obscura de onde correm, como água da fonte, os sonhos”.
Pág. 60 ♥

Sinopse: “Em Terra dos homens, Saint-Exupéry relata suas memórias de piloto do correio aéreo francês entre 1926 e 1935, assim como suas primeiras aspirações na profissão e seu convívio com outros pilotos e amigos. Sem um fio narrativo rígido, definido, Exupéry utiliza passagens emocionantes e dramáticas de sua experiência para dar suas impressões sobre o mundo, que se acostumou a ver do alto. É, antes de tudo, um livro sobre a morte, a amizade, o heroísmo e a busca de significado”.

Belo, poético e encantador. Uma narrativa de contemplação das belezas…

 

 

 

 

 

Almas de Porcelana

livro almas de porcelanas

Do forno ao desejo
simétricas
almas
de porcelana

É  a linha
exterior
que revela
mais que qualquer
configuração
no centro
dos azulejos

Um em si
não cabe
de quebrado
tão pequeno

Daí galgar
de costas para o chão
onde nasce
em forma de mulher
fecundos cacos de gume e
verniz.
Gociante Patissa